Atualmente existe diferentes formatos de e-learning , e isso têm revolucionado o aprendizado em todo o mundo.

Além de proporcionar um avanços na área da Educação, essa modalidade impacta diretamente ao mercado de trabalho pos varios seguimentos já utilizam dessa nova maneira de aprender para se manter constatemente atualizados.

Por isso, tanto instituições de ensino quanto empresas investem cada vez mais em difusão de conhecimento através do e-learning, essa nova maneira de capacitação vem criando uma nova geração de profissionais muito mais qualificados dentro do seu seguimento de atualção

Ao mesmo tempo, funcionários e empreendedores utilizam a tecnologia para se manterem competitivos, acompanhando as mudanças constantes no mercado de trabalho.

E você, já experimentou o e-learning?

Neste artigo, vamos explicar como ele funciona, suas vantagens, desvantagens e de que forma pode ser utilizado para o seu aprimoramento profissional e pessoal.

Se desejar, navegue pelos seguintes tópicos:

  • O que é e-learning?
  • Quando surgiu o e-learning?
  • Como funciona?
  • Qual a diferença entre e-learning e educação a distância?
  • Quais são os principais componentes do e-learning?
  • Qual a importância do e-learning na era digital?
  • Vantagens e desvantagens do e-learning
  • Tipos de e-learning
    • Educacional
    • Corporativo
    • E-learning síncrono X assíncrono
  • O que é plataforma EaD?
  • O que é SCORM?

Vamos lá? Boa leitura!

O que é e-learning?

E-learning é um uma forma de educação a distância que aproveita recursos computacionais e audiovisuais para promover o aprendizado a uma pessoa, um grupo ou uma comunidade.

Assim como outras expressões utilizadas no campo da tecnologia, o termo “e-learning” foi emprestado do inglês, correspondendo a uma abreviação de electronic learning – ou aprendizado eletrônico.

O e-learning existe apenas no contexto da popularização dos computadores pessoais e da internet, que possibilitaram a troca instantânea de informações e facilitaram o compartilhamento de materiais a distância.

Se, antes da era digital, era preciso enviar apostilas, CDs e outros itens via correio para que o aluno acompanhasse as aulas, hoje, ele pode baixar esses arquivos ou acessá-los na nuvem.

Nuvem é o nome dado ao local de armazenamento na internet, aparentemente ilimitado e que abriga espaços protegidos por senhas, criptografia e outros mecanismos de segurança.

A partir de websites, e-mails, fóruns, aplicativos de mensagens instantâneas e videoconferências, o e-learning viabilizou não apenas o envio de conteúdos ao aluno, como também a possibilidade de ele responder.

Através da web, o estudante comenta, tira dúvidas, é avaliado e se comunica com colegas, professores e tutores.

Basta que ele tenha acesso a um ambiente virtual de aprendizagem – um local que não existe fisicamente, mas reúne todos os conteúdos que compõem o curso ou aula realizados por meio de e-learning.

Quando surgiu o e-learning?

Por depender de um ambiente virtual de aprendizagem, o e-learning como conhecemos surgiu no final do século XX, quando a internet se tornou acessível à maioria das pessoas.

Foi a partir da aplicação World Wide Web, criada por Tim Berners-Lee, em 1990, que as informações passaram a ser compartilhadas com facilidade, por meio de uma linguagem própria: o HTML (hypertext markup language).

Combinada ao uso comercial do sistema Windows 95 (da Microsoft), a invenção da web deu aos usuários a possibilidade de navegar pela internet de forma simples, sem exigir conhecimentos em programação.

Esse ambiente favorecia uma interação entre internautas nunca antes vista, o que permitiu uma comunicação bidirecional.

Quando estendida aos cursos, possibilitou que o aluno deixasse de ser mero espectador e consumidor dos conteúdos para assumir uma postura proativa, que é uma das características marcantes do e-learning.

Como modalidade de educação à distância, há quem diga que o aprendizado eletrônico nasceu ainda no século XIX, quando surgiram os cursos por correspondência.

Além desses formatos, outras tecnologias da informação e comunicação (TICs) anteriores à internet serviram para difundir informações, a exemplo do rádio e da televisão.

Porém, esses dispositivos não permitiam interação em tempo real, exceto quando eram apoiados por ligações telefônicas ou teleconferências.

Até que a internet e a web superaram essa barreira, oferecendo conteúdos disponíveis online, de maneira interativa e que permitem um gerenciamento quanto às atividades realizadas pelos alunos.

Como funciona?

O e-learning funciona utilizando dois formatos diferentes: com ou sem gerenciamento do aprendizado.

No início, havia apenas os modelos sem gerenciamento, que funcionavam a partir da distribuição de conteúdos salvos em disquetes e, mais recentemente, em CDs e pendrives.

Esse formato foi bastante criticado por profissionais da Educação, uma vez que não possibilitava um acompanhamento e correção das atividades feitas pelo aluno, inviabilizando uma avaliação e gerenciamento do aprendizado.

Para solucionar esse problema, instituições de ensino passaram a desenvolver e utilizar ambientes virtuais de aprendizagem específicos, geralmente por meio de plataformas LMS (Learning Management System).

Inspirados nas características das salas de aula, esses sistemas possuem interfaces intuitivas e canais que possibilitam a comunicação entre aluno, colegas e tutores.

Assim, o estudante interage nos fóruns, chats e envia atividades como provas, trabalhos e apresentações via plataforma LMS, sendo avaliado com frequência.

Também tem acesso a materiais complementares, apoio para os estudos e esclarecimento de dúvidas, seja em tempo real ou após algumas horas.

Qual a diferença entre e-learning e educação a distância?

Mencionamos, mais acima, que o e-learning pode ser definido como um tipo de educação a distância (EaD).

Isso porque o termo educação a distância se refere a um conjunto de modalidades de aprendizado em que professor e aluno estão em locais diferentes.

De acordo com o site do Ministério da Educação (MEC):

“Educação a distância é a modalidade educacional na qual alunos e professores estão separados, física ou temporalmente e, por isso, faz-se necessária a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação. Essa modalidade é regulada por uma legislação específica e pode ser implantada na educação básica (educação de jovens e adultos, educação profissional técnica de nível médio) e na educação superior.”

Então, o EaD contempla uma série de dinâmicas, o que inclui o e-learning, mas também:

  • Os antigos cursos por correspondência
  • Cursos via teleconferência
  • Videoaulas gravadas
  • Telecursos ministrados pelo rádio ou televisão
  • Módulos publicados em jornais, revistas e outros meios impressos.

Quais são os principais componentes do e-learning?

Um ambiente virtual de aprendizagem, onde se desenvolve o e-learning, deve contar com quatro componentes principais:

  1. Comunicação de via dupla
  2. Aprendizagem colaborativa
  3. Conteúdo bem estruturado
  4. Instrumentos de avaliação.

A seguir, confira detalhes sobre cada um.

Comunicação de via dupla

Consiste em uma comunicação interativa, na qual todos os participantes são, ao mesmo tempo, emissores e receptores, ou seja, enviam e recebem informações.

Esse componente surge da ideia de que o aluno é a peça central do aprendizado à distância e, portanto, deve contribuir com o processo de ensino de maneira proativa.

Assim, tanto aluno quanto colegas e tutores aprendem e ensinam por meio das plataformas de e-learning, utilizando instrumentos de via síncrona (em tempo real) ou assíncrona.

Vamos falar mais desse assunto nos próximos tópicos.

Aprendizagem colaborativa

Esse conceito faz referência à possibilidade de os alunos trabalharem em grupo, buscando um objetivo comum.

Plataformas modernas de e-learning contam com instrumentos que permitem a interação e favorecem essa colaboração entre colegas, ainda que a distância.

Eles podem, por exemplo, utilizar o chat para debater um assunto, trocar conhecimentos por e-mail e até montar trabalhos e apresentações coletivamente, usando ferramentas de edição online.

Conteúdo bem estruturado

O conteúdo em si e a forma como está organizado são de suma importância em qualquer processo de aprendizagem, mas se tornam ainda mais relevantes no e-learning.

E não é difícil entender o porquê.

Na educação presencial, o aluno tem acesso direto e pessoalmente aos conhecimentos do professor, podendo questioná-lo no momento da aula.

Já no aprendizado eletrônico, ele pode consultar tutores quando necessário, mas nem sempre terá as dúvidas sanadas no momento em que estuda.

Por isso, o conteúdo precisa ser pensado com a maior simplicidade possível, enriquecido com materiais de apoio (glossários, infográficos, livros, etc.) e seguir uma lógica que possa ser compreendida com facilidade.

Na abertura de um módulo, capítulo ou aula, é útil informar seus objetivos, pré-requisitos para compreensão e duração aproximada, a fim de que o aluno possa separar o tempo necessário para essa tarefa.

O conteúdo para e-learning também deve ser revisado com ainda mais atenção, pois não será possível corrigir as informações rapidamente.

Instrumentos de avaliação

Conforme explicamos antes, as plataformas de e-learning possuem ferramentas de gerenciamento do aprendizado, permitindo a avaliação constante do aluno.

Realizado a distância, esse acompanhamento se torna mais simples para o professor, já que há registro automático das aulas, testes, provas e mensagens deixadas pelo aluno.

Dentre os instrumentos de avaliação disponíveis, vale citar:

  • Testes online: podem ser de perguntas abertas, múltipla escolha ou relacionamento. Costumam ter um tempo máximo para preenchimento
  • Auto avaliação online: exercícios propostos, normalmente, no final de cada módulo ou aula. Servem para verificar o aproveitamento do aluno, devendo ser corrigidos e comentados pelo professor e/ou tutor o mais breve possível
  • Comentários em fóruns ou chats: permitem a análise da participação do aluno em debates, estudos de caso e o compartilhamento de seu ponto de vista.

Qual a importância do e-learning na era digital?

A era digital implica em transformações profundas, tanto no comportamento dos indivíduos quanto em grupos e organizações.

Graças à evolução da internet e meios digitais, uma quantidade maciça de informações é trocada a cada instante, incluindo novas metodologias, soluções e formas de lidar com diferentes situações.

Estudiosos desta época descrevem o mundo corporativo atual a partir da sigla VUCA, que significa:

  • Volátil: repleto de mudanças dinâmicas e volúveis
  • Incerto: padrões consagrados são questionados a todo momento
  • Complexo: vários fatores internos e externos impactam nas decisões, fazendo com que não exista um único caminho certo
  • Ambíguo: a realidade pode ser interpretada sob diversos pontos de vista, o que dificulta a tomada de decisões assertivas.

Nesse cenário de incertezas e mudanças em ritmo acelerado, profissionais e empresas precisam se manter atualizados e relevantes para garantir sua competitividade, o que pede adaptações constantes nos conteúdos e ferramentas de educação.

Daí a importância do e-learning, que promove interação, troca de conhecimentos com frequência e permite uma atualização mais rápida, sem que o aluno precise comparecer a uma instituição de ensino.

Vantagens e desvantagens do e-learning

Apostar no e-learning agrega diversos benefícios para professores, tutores, alunos, empresas e instituições de ensino.

Abaixo, listamos as principais vantagens:

  • A formação é centrada no aluno, permitindo que ele siga seu próprio ritmo de estudos
  • Acesso às aulas e módulos de qualquer lugar do mundo, com poucos recursos (computador/smartphone/tablet e internet)
  • Possibilidade de estudar nos melhores dias e horários
  • Permite a troca de conhecimentos entre alunos, professores e tutores
  • Economia de valores gastos com transporte até uma instituição de ensino
  • Quando comparado à modalidade presencial, o e-learning tem custo menor
  • Favorece a autonomia do aluno, o que tende a aumentar o aprendizado
  • Amplia os recursos utilizados no ensino, incluindo materiais complementares, conteúdos interativos, vídeos, jogos, entre outros
  • Proporciona rápida atualização para os colaboradores de empresas
  • Automatiza tarefas, dispensando o acompanhamento da presença e registro de atividades pelo professor.

Conheça, agora, algumas desvantagens do e-learning:

  • Falta de contato pessoal e socialização
  • Maior tempo de espera para solucionar dúvidas
  • Pede grande autonomia e autodisciplina por parte do estudante
  • Exige internet rápida (banda larga) para acesso aos conteúdos e aulas
  • Pode dificultar a compreensão de conteúdos mais práticos
  • Pode levantar dúvidas quanto à autoria das atividades, pois o professor/tutor não observa o aluno diretamente.

Tipos de e-learning

Dentro da modalidade e-learning, existem algumas subdivisões que sugerem a área e a maneira como ocorrem as interações dentro da plataforma LMS.

Também é possível diferenciar o e-learning do chamado b-learning, formato que combina aulas e atividades a distância com situações presenciais.

O termo b-learning é uma contração de blended learning, ou seja, de um aprendizado híbrido, conhecido ainda como semipresencial.

Assim como o e-learning, o b-learning pede uma plataforma para o compartilhamento dos conteúdos e ferramentas de comunicação a distância.

Geralmente, os encontros presenciais são realizados para oferecer plantões de dúvidas ou aplicar exames, o que garante que serão realizados pelo aluno.

Os tipos mais conhecidos de e-learning são:

Educacional

Essa é a modalidade mais comum, reunindo os variados cursos livres, profissionalizantes, técnicos e preparatórios.

Cabe destacar a adesão cada vez maior do e-learning por instituições de ensino superior, resultando em uma oferta ampla de cursos de graduação e pós-graduação nesse formato.

O aprendizado eletrônico rompe a barreira geográfica, levando diferentes formações e conectando professores a estudantes que vivem em locais remotos, por exemplo.

Também permite a cobrança de mensalidades reduzidas, já que, quanto mais alunos, menor o investimento individual necessário para a manutenção do curso.

Corporativo

De olho nas inovações tecnológicas, corporações modernas logo passaram a investir no e-learning para a capacitação de funcionários.

Hoje em dia, até mesmo as empresas menores e jovens empreendedores incorporaram o aprendizado eletrônico como opção para se manterem atualizados – e competitivos – em seu mercado de atuação.

Por sua versatilidade, os cursos ofertados em e-learning possibilitam a disseminação de conteúdos personalizados para as companhias, padronizando integrações e treinamentos diversos.

A modalidade também reduz os custos com a qualificação da mão de obra, pois não é necessário arcar com a impressão de materiais, contratação de instrutores ou locação de auditórios para realizar os treinamentos.

E-learning síncrono X assíncrono

comunicação de via dupla nas plataformas de e-learning pode se dar de dois modos: síncrono ou assíncrono.

O primeiro se refere à sincronicidade, indicando as situações em que o aluno acompanha os conteúdos, participa de debates e tira dúvidas em tempo real.

Ferramentas de mensagens instantâneas (chats online) e videoconferências são os exemplos mais conhecidos de mecanismos síncronos.

Mas, dependendo do ambiente virtual de aprendizagem, o estudante pode dispor de instrumentos como o quadro branco eletrônico, versão que permite a criação de desenhos e textos de maneira colaborativa durante as aulas ao vivo.

A interação é a principal vantagem do formato síncrono, que exige disponibilidade de datas e horários para que todos os alunos e o professor se encontrem na plataforma de e-learning.

Já a via assíncrona de comunicação descreve as situações de troca de informação em momentos diferentes, através de ferramentas como o e-mail, agenda, fóruns de discussão e páginas pessoais dos alunos.

O e-learning assíncrono permite que o aluno envie dúvidas, sugestões e comentários a qualquer hora do dia ou da noite, sem que precise se manter logado na plataforma para esperar por uma resposta.

Em contrapartida, impede uma interação mais rica e direta junto aos colegas, professores e tutores.

O que é plataforma EaD?

Normalmente, o termo plataforma EaD corresponde a uma plataforma de e-learning, baseada em tecnologia LMS (Learning Management System).

Trata-se de um sistema que concentra todos os conteúdos, ferramentas de comunicação e avaliação de um ou mais cursos online.

Além disso, várias instituições de ensino têm empregado as plataformas EaD como suporte para capacitações presenciais, estendendo o contato com os estudantes e facilitando o acompanhamento de materiais de apoio, datas e compromissos.

A EaD caracteriza-se pelo estabelecimento de uma comunicação de múltiplas vias, suas possibilidades ampliaram-se em meio às mudanças tecnológicas como uma modalidade alternativa para superar limites de tempo e espaço. Seus referenciais são fundamentados nos quatro pilares da Educação do Século XXI publicados pela UNESCO, que são: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser.

Assim, a Educação deixa de ser concebida como mera transferência de informações e passa a ser norteada pela contextualização de conhecimentos úteis ao aluno. Na educação a distância, o aluno é desafiado a pesquisar e entender o conteúdo, de forma a participar da disciplina.

O que é SCORM?

Sharable Content Object Reference Mode (SCORM) é um conjunto de padrões técnicos criados para facilitar a comunicação entre plataformas de e-learning (plataformas EaD) e os diferentes formatos de conteúdo disponíveis online – vídeos, textos, jogos, etc.

O SCORM segue as exigências de uma norma específica e tem aplicação junto a entidades que utilizam tecnologia LMS.

 SCORM também se define como o conteúdo que pode ser compactado em um arquivo de transferência (ZIP).

Objetivos

O SCORM tem como objetivos:

  • Padronizar o modo como os conteúdos se relacionam com os sistemas que os suportam (sejam eles plataformas de e-learning ou repositórios de conteúdos);
  • Reutilizar os objetos de aprendizagem, permitindo ao autor do conteúdo utilizá-lo em contextos diferentes. Isto é, o mesmo conteúdo pode ser incorporado em vários contextos e ter várias utilizações (em diferentes disciplinas/módulos);
  • Flexibilizar a aprendizagem uma vez que podem ser construídos vários percursos de aprendizagem e estes disponibilizados a diferentes alunos;
  • Portabilidade/migração ao permitir que os SCO’s sejam independentes da plataforma de e-learning ou do repositório utilizados. Os objectos de aprendizagem podem assim ser transportados entre ambientes de e-learning de diferentes instituições.

A Advanced Distributed Learning (ADL), é entidade responsável pelo modelo.

A iniciativa da especificação SCORM tem origem na Secretaria de Defesa dos Estados Unidos da América.

Conclusão

Seguindo a tendência de digitalização em todos os setores, o e-learning implementou uma nova dinâmica a diferentes cursos online, colocando o aluno como protagonista no processo de aprendizagem.

Graças à sua flexibilidade, esse formato de ensino tem sido adaptado para o universo corporativo, ampliando a oferta de qualificação por parte de empresas grandes, médias e pequenas.

Também se tornou uma ferramenta interessante para empreendedores e profissionais que desejam aperfeiçoar competências.

Se esse é o seu caso, vale a pena conhecer os cursos A CAIXA PRETA (Nele você ira aprender as dicas fundamentais para iniciar seu negocio atrafez de um e-learning).

titulo

titulo

subtitulo

You have Successfully Subscribed!